18/02/2020 Ivete Costa 0Comment

“O que vive em cada ser humano e o que pode ser desenvolvido nele? Rudolf Steiner

A teoria dos setênios é um dos pilares da antroposofia, linha de pensamento criada pelo filósofo Rudolf Steiner. Dentro desse pensamento filosófico há a ideia de ver a vida de forma cíclica, a partir da observação dos ritmos da natureza, divididos em fases de sete anos, denominados setênios.

Nesse momento, vamos falar um pouco do segundo setênio – dos 07 aos 14 anos. Essa fase é a ponte entre a infância e a adolescência. Que servirá de base para nossa meditação inspiradora para acolher o nosso adolescente interior.

Para que as situações vividas não se tornem constantemente memórias mal resolvidas dentro de nós, podemos entrar em contato com elas, sem reviver, sem críticas ou julgamentos, mas para dar um lugar, arquivar. E na sequência, entrar em contato com a potencialidade, as capacidades, a força disponível e, algumas vezes, adormecida.

Nessa fase da vida nos tornamos mais conscientes do mundo ao redor e começamos a diferenciar entre experiências internas e percepção externa. Surge um grande interesse na descoberta, bem como a necessidade de contextualização das múltiplas percepções e processos e a crescente necessidade de apreender o mundo e suas conexões através do pensamento. Experiências e descobertas agora são permeadas cognitivamente.

Amplia-se o desenvolvimento do senso de certo e errado e de responsabilidade social. Um sinal desse crescimento físico e psicológico é a perda dos dentes de leite e o surgimento dos dentes adultos. Isso marca a entrada no ciclo de individuação.

Esse ciclo é um momento de expansão interna quando começamos a experimentar e testar habilidades no sentido mais amplo do mundo exterior. Compartilhar e interagir torna-se mais importante.

O principal aspecto da adolescência é, segundo Steiner, o desenvolvimento do poder do julgamento independente, tornando-se mais reflexivo e desenvolvendo a prontidão para assumir responsabilidades.

Construção da relação com os demais e com o mundo. Sentido de identidade. Atenção mais estreita com o corpo físico. Desenvolvimento da competência de autossuficiência e instinto de sobrevivência.

Nesse setênio, nasce o desenvolvimento da capacidade de sobreviver por si mesmo, defender-se e proteger-se, instinto de luta e fuga, resiliência, capacidade para tomar decisões.

  • Aprender a se relacionar consigo mesmo e com os demais.
  • União e cooperação.
  • Sentir-se capaz.
  • Ética e valores.
  • Estabelecer vínculos.
  • Autonomia.
  • Confiança em si mesmo.
  • Poder pessoal como força vital.  
  • Alegria, autoestima e responsabilidade.
  • A fantasia dá lugar a imaginação que confere entusiasmo e impulso.

“A natureza faz do ser humano um mero ser natural; a sociedade, um ser que age segundo leis; somente ele próprio pode fazer de si um ser livre.” Rudolf Steiner

Sugestões:

Todos nós passamos por momentos marcantes na adolescência. Não raro, alguns traumas que pode influenciar ainda hoje a vida pessoal, os relacionamentos e a carreira.

Sugerimos o exercício da escrita: escrever uma carta para o seu adolescente interior, contando para ele que hoje você é adulto e que acolhe as suas dores e que você é grato à ele por tudo o que viveu, de positivo e negativo, porque essas experiências fazem parte de quem você é hoje. Pode incluir, se for o caso, o perdão à você mesmo, às situações e pessoas. Em seguida, você pode queimar a carta ou desmanchá-la na água.

Meditação dirigida que você pode solicitar pelo WhatsApp (11) 98803-4140, enviando seu nome e solicitando a meditação.

Abraço fraterno.

Deixe seus comentários:

Loading Facebook Comments ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *